Agência Hoyler - Notícias de Hortolândia, Sumaré e Monte Mor
   
Histórico
Outros sites
UOL - O melhor conteúdo
BOL - E-mail grátis

Votação
Dê uma nota para meu blog

 


Jardim Amanda preocupa autoridades de saúde de Hortolândia no combate à dengue



Leda Dias
agenciahoyler@yahoogrupos.com.br
Da Agência Hoyler


O número de casos caiu, mas todo cuidado é pouco. Entre janeiro e abril deste ano, 31 pessoas contraíram dengue em Hortolândia. No mesmo período do ano passado, a cidade teve 745 pessoas contaminadas. Os números de 2008 representam uma queda de 93%.

A reportagem da Agência Hoyler apurou que, de todas as regiões da cidade, a que mais preocupa as autoridades de Saúde da cidade é o Jardim Amanda I. São sete casos confirmados –23% do total–, mas segundo Paulo Mancuso, gerente do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), outras regiões também estão em estado de alerta e o trabalho de triagem tem sido intensificado em várias regiões.

Quando detectado um caso, a equipe do CCZ faz um rastreamento na área equivalente a nove quarteirões em volta da residência do suspeito, a fim de eliminar o foco do mosquito e o risco de epidemia.

Ministro da Saúde diz que combate à dengue deve ser “ininterrupto”
De acordo com o Departamento de Saúde Coletiva, os baixos números são resultados de um trabalho realizado desde o ano passado. “O nosso trabalho é em conjunto com a população. Essa vitória cabe a todos comemorar e não esquecer que a luta ainda não terminou”, disse Vivian Mae Diretora de Saúde Coletiva, ao ressaltar a importância para que a população continue se prevenindo. A boa performance do município acompanha, porém, uma tendência verificada em todo o Estado. Se Hortolândia teve uma queda de 93%, o Estado registrou um recuo ainda maior, de 97,7%, entre os meses de janeiro e março.

Segundo CCZ do município, o primeiro trimestre é um momento de alerta, devido ao aumento na temperatura, aliado à incidência de chuva, o que favorece a proliferação do mosquito. O trabalho de conscientização este ano não pára. Em setembro, antes do verão, a Secretaria de Saúde de Hortolândia, vai intensificar novamente a campanha, com ações educativas e preventivas, além de promover arrastões de limpeza de possíveis criadouros do mosquito nas residências.




Escrito por Agência Hoyler às 12h03
[] [envie esta mensagem] []




Centro Corsini lança campanha de apadrinhamento



Milena Porto
agenciahoyler@yahoogrupos.com.br
Da Agência Hoyler


A Unidade de Apoio Infantil (UAI), do Centro Corsini de Campinas, lançou este mês uma campanha para selecionar pessoas interessadas em ser “padrinhos sociais” de crianças e adolescentes internados no abrigo da instituição.

O “padrinho social” poderá escolher um dos meninos e meninas para fazer visitas regulares nos dias úteis e pegá-lo nos finais de semana para passear. Com isso, a instituição pretende aprimorar o convívio deles, criando a possibilidade de a criança viver momentos dentro de uma família e minimizar os conflitos gerados pela perda dos pais. O abrigo recebe órfãos em decorrência da aids e portadores de Síndrome de Down dependentes de oxigênio.

Precisamos deixar claras as reais condições do apadrinhado e averiguar se essa pessoa tem condições psicológicas para realmente ajudar na socialização
Adriana Soares, coordenadora da Vila das Pipas
A maior preocupação da instituição é com o lado emocional de seus abrigados, que contam com três psicólogas que trabalham diariamente, além de voluntários. Com essa preocupação, foi criada a campanha para dar a possibilidade a essas crianças e adolescentes de conhecer e conviver com famílias e, assim, minimizar seus traumas.

Para ser um padrinho, o interessado deve passar por entrevistas com a coordenadora da casa, Adriana Soares, e por psicólogos. “A entrevista é essencial, pois precisamos conhecer os padrinhos para termos certeza de que o convívio irá trazer benefícios e ajudar a criança a se estruturar emocionalmente. Além disso, precisamos deixar claras as reais condições do apadrinhado e averiguar se essa pessoa tem condições psicológicas para realmente ajudar na socialização”, declarou Adriana.

O UAI tem sede própria que leva, desde 2003, o nome de Vila das Pipas, em homenagem ao prefeito campineiro Antonio da Costa Santos. A primeira casa foi conseguida por meio de recursos financeiros vindos da Holanda. Já o terreno foi doado pela prefeitura de Campinas. Hoje há duas casas no local. Uma terceira construção está sendo erguida no espaço. Atualmente são atendidas 19 crianças e adolescentes com idade até 18 anos. Elas freqüentam escola e fazem cursos extra-curriculares, como violão e dança, além de receber atendimento médico, odontológico e psicológico em tempo integral.

Segundo Adriana Soares, o custo é alto e é mantido exclusivamente por doações. “Temos uma campanha chamada ‘Adote uma criança do UAI’, em que cada pessoa contribui com R$ 30 mensais durante o ano. Além disso, recebemos doações de pessoas jurídicas e o apoio da Prefeitura, por meio da isenção de taxas”, acrescentou.

Quem quiser se candidatar a padrinho social ou fazer doações para o abrigo pode agendar uma entrevista com Adriana Soares por meio do telefone (19) 2101-0101. Não é permitida a entrada na Vila das Pipas sem que seja feito antes esse contato.


Escrito por Agência Hoyler às 09h10
[] [envie esta mensagem] []




Começa hoje a Semana de Comunicação da Faculdade Hoyler-Uniesp



A tradicional Semana de Estudos de Comunicação, promovida no mês de maio pela Faculdade de Comunicação Social de Hortolândia (Instituto Hoyler - Uniesp) elegeu, para a edição 2008, como grande tema o Bicentenário da Imprensa no Brasil.

A programação – que tem início hoje, dia 5, e prossegue até quinta-feira, dia 8, – conta com duas exposições organizadas por alunos de Jornalismo, a apresentação de campanhas publicitárias desenvolvidas por alunos do curso de Publicidade e Propaganda e uma variedade de bons encontros entre profissionais consagrados do Jornalismo no Brasil e em Campinas e região.

Segundo o professor Marcel Cheida, coordenador da Faculdade de Comunicação Social da Hoyler, em Hortolândia, a Semana de Estudos de Comunicação representa uma oportunidade para a comunidade estudantil promover reflexões, atualizações, intercâmbio com profissionais das áreas e ampliar seus conhecimentos sobre mercado, técnicas e tendências.

Como chegar no Instituto Hoyler-Uniesp de Hortolândia


José Arbex Jr. é o convidado de quinta-feira
Entre os palestrantes está o então professor da faculdade de Jornalismo PUC - São Paulo, José Arbex Jr. Testemunha privilegiada das mudanças no jornalismo brasileiro desde 1982, quando começou a percorrer disputada carreira na Folha de S. Paulo como repórter, correspondente estrangeiro e editor de Internacional, até 1992, Arbex não usa meias-palavras para expor os ataques que desfere contra o poder hegemônico, seja o norte-americano, o israelense ou as forças econômicas cujos interesses determinam os rumos da América Latina.

Nessas viagens e trabalhos como jornalista, Arbex entrevistou personalidades como o líder palestino Yasser Arafat e o secretário do Partido Comunista da União Soviética, Mikhail Gorbatchev. José Arbex Jr. foi correspondente da Folha de S. Paulo em Nova York (1987) e Moscou (1988-90). Cobriu, como enviado especial, as guerras da Nicarágua (1986), Afeganistão (1988) e Camboja (1989), a Primavera de Pequim e a queda do Muro de Berlim (1989).

Militante do Fórum Social Mundial, o jornalista construiu um rol respeitado de inimigos no plano intelectual, como Olavo de Carvalho, editor do site Mídia Sem Máscara e filósofo de raiz aristotélica e cristã. No campo das batalhas ideológicas, consegue expor o conhecimento que adquiriu no doutorado em História Social pela USP (2000) e na graduação em Jornalismo, pela mesma Universidade em 1982. J
osé Arbex Jr. participa da Semana de Estudos de Comunicação promovida pela Faculdade de Comunicação Social de Hortolândia, na quinta-feira, 08 de maio, às 19h00.

As palestras serão abertas ao público com entrada franca e terão início a partir das 19h00 com a previsão para o encerramento às 22 horas.

Jornalistas da mídia regional revelam experiências e desafios
A contribuição da imprensa regional na construção da identidade social de Campinas e região é fruto da atuação profissional de uma geração de jornalistas que têm, nos últimos dez anos acompanhado e interagido com as transformações técnicas e desafiadores da comunicação social na contemporaneidade. A Faculdade de Comunicação Social Hoyler-Uniesp, de Hortolândia, organizou para a Semana de Estudos de Comunicação, de 5 a 8 de maio, das 19h00 às 22h00, no auditório da Instituição.

Com o título “Quem tem medo de Tecnologia?” o professor Artur Araújo profere palestra na noite de segunda-feira, mostrando para a comunidade estudantil que o equilíbrio entre ética, compromisso e as tecnologias aplicadas à Comunicação resulta em ganhos sociais.

O professor e designer Allan Fidelis, com experiência em grandes organizações, também trará importantes contribuições para os futuros publicitários.

O jornalista Marcelo do Canto, com experiente profissional da mídia regional, abordará o tema A prática do jornalismo na administração de crises. Na noite de quarta-feira, dia 7, a jornalista e chefe de Reportagem da EPTV-Campinas, Daniela Lemos e a  Professora Flailda Brito Garboggini, diretora da Faculdade de Publicidade e Propaganda da PUC-Campinas  proferes palestras em torno do tema Trajetórias e identidades na arte de comunicar. 

SERVIÇO:
Saiba mais sobre os convidados da Semana de Estudos de Comunicação das Faculdades Hoyler-Uniesp – Hortolândia.

Állan Fidelis Toledo é designer e professor. Já estagiou na W/Brasil e Propaganda Registrada, hoje trabalha como coordenador de marketing da Guabi - nutrição animal e é professor de design da Escola Comunitária de Campinas.

Prof. Artur Araújo é mestre em Ciências da Comunicação com uma dissertação sobre blog e jornalismo, pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo. É ligado ao Grupo de Estudos da Linguagem,da ECA/USP e ao Núcleo de Jornalismo, Mercado e Tecnologia, da ECA/USP. Formado em 1988 pela PUC-RJ, tem 20 anos de experiência em jornalismo.

Marcelo do Canto é jornalista com larga experiência, tendo atuado como repórter,  chefe de reportagem, redator e editor de importantes veículos de comunicação da região de Campinas, nas mídias rádio TV e jornal impresso.

Daniela Lemos é jornalista, Formada pela PUC-Campinas é chefe de Reportagem da EPTV Campinas, tendo trabalhado também no Canal 25 e Rádio Cultura de Campinas.

José Arbex Jr. é jornalista, professor da Faculdade de Jornalismo da PUC-São Paulo.  Testemunha privilegiada das mudanças no jornalismo brasileiro. Foi repórter, correspondente estrangeiro e editor de Internacional do jornal A Folha de S. Paulo, até 1992; como correspondente na Europa, onde pôde testemunhar e reportar a queda do Muro de Berlim, na derrocada do regime socialista soviético e o início da retirada do exército soviético do Afeganistão em 1988. Nessas viagens e trabalhos como jornalista, entrevistou personalidades como o líder palestino Yasser Arafat e o secretário do Partido Comunista da União Soviética, Mikhail Gorbatchev. É autor do livro Showrnalismo, obra que discute a notícia como espetáculo.



Escrito por Agência Hoyler às 16h24
[] [envie esta mensagem] []




Faculdade Comunitária de Campinas ajuda Hortolândia a combater gravidez na adolescência



Leda Dias
agenciahoyler@yahoogrupos.com.br
Da Agência Hoyler

Em 2006, 135 meninas de 10 a 19 anos engravidaram em Hortolândia. No ano passado, a situação ficou 51% pior: 204 garotas nessa faixa etária tiveram de assumir o papel de mães, segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde. Na cidade, a região do Jardim Amanda é a que possui o maior índice desses tipos de caso. Uma parceria entre a Unidade Básica de Saúde (UBS) do bairro e a Faculdade Comunitária de Campinas pretende colocar esses índices de ponta-cabeça.

Índice de gravidez precoce em Hortolândia

Para isso, a UBS deu início à implantação do Programa de Saúde do Adolescente no bairro. O trabalho de educação começou com visitas a escolas públicas com alunos de 7ª e 8ª série, que participaram de palestras e teatros de educação e conscientização para a qualidade de vida. O programa pretende reunir grupos de discussão compostos de, no máximo, 15 jovens, entre meninos e meninas, a fim de discutir, de uma forma dinâmica e temática, a fase da adolescência, a gravidez e as doenças sexualmente transmissíveis (DSTs).

A coordenadora da USB, Giselle Ogalha, explicou que a unidade já possui especialistas capacitados em saúde do adolescente: “vamos unir forças entre todos os profissionais para realizar um trabalho de educação e conscientização sobre a saúde do adolescente, que não se resume apenas em prevenir uma gravidez, e sim a prevenção das DSTs.” disse Giselle.

A expectativa é que o trabalho seja desenvolvido de forma integrada entre a rede de saúde e educação. “A escola é a extensão da família, por este motivo é que o nosso trabalho começou pelas escolas. Depois queremos criar um laço entre o serviço de saúde e estes adolescentes, para que eles nos procurem quando tiverem a dúvida, e não com o problema” disse Leandro Leles de Sousa, estagiário de enfermagem, e acrescenta dizendo que após as visitas da equipe nas escolas houve um aumento significativo da procura dos adolescentes ao serviço de saúde.

Os encontros acontecem todas as sextas e terças feiras das 8h às 12h. Os interessados devem procurar a UBS (Unidade Básica de Saúde) do Jardim Amanda, pelo telefone (19) 3819-3182 ou (19) 3819-3325. O endereço é Avenida Brasil, 1.100.



Escrito por Agência Hoyler às 10h52
[] [envie esta mensagem] []




Mercado imobiliário em alta aquece venda de consórcio



Milena Porto
agenciahoyler@yahoogrupos.com.br
Da Agência Hoyler

Informe-se mais

Com o aquecimento do mercado imobiliário no País, cresceu também a adesão aos consórcios de imóveis. Com a vantagem de fugir das taxas de juros, essa modalidade de compra é cada vez mais procurada por quem sonha com casa própria. Há planos voltados para todos os perfis de renda, com linhas a partir de R$ 20 mil  e prazos de até 180 meses. Nas parcelas não são cobrados juros, mas há a taxa de administração do consórcio que varia entre 13% a 21%.

Hoje somos regulamentados e auditados pelo Banco Central a cada seis meses. Isso dá mais credibilidade e confiança para os clientes
Alberto Petrocchi, responsável pelas unidades do interior de São Paulo do consórcio Embracon
No ano passado foi registrado um crescimento de 17,82 % no setor, de acordo com dados do Banco Central. No Estado de São Paulo, a alta foi ligeiramente superior: 18,5%. De olho nesse mercado em expansão, as empresas de consórcio vêm investindo cada vez mais.

Dados do Banco CentralO consórcio Embracon, que possui unidades em todo território nacional, abriu mais 12 no Estado. Dessas, cinco foram estabelecidas na Região Metropolitana de Campinas (RMC), além da ampliação de unidades já existentes na área. “Em setembro, tínhamos duas equipes com seis vendedores cada uma delas, hoje estamos com três equipes com oito vendedores em cada uma delas, e mais 12 pessoas em treinamento”, declarou Fabio Perea, gerente de vendas da filial de Campinas.


Alberto Petrocchi, responsável pelas unidades do interior de São Paulo, se diz otimista com o mercado e com a melhor aceitação do consórcio nos dias de hoje. “Houve uma época em que muitas empresas de consórcio, que eram mal-estruturadas, faliram, deixando seus clientes na mão. Isso complicou muito nosso setor, que era visto como ‘caloteiro’. Hoje somos regulamentados e auditados pelo Banco Central a cada seis meses. Isso dá mais credibilidade e confiança para os clientes acreditarem nessa modalidade de compra”, disse.



Petrocchi complementa: “outro fator que faz com que os clientes optem pelo consórcio é a possibilidade de utilizar o saldo do FGTS. Muitos trabalham há muito tempo, têm um bom saldo e não sabem como utilizá-lo. Na nossa administradora, eles podem utilizar esse dinheiro que está parado para dar de lance e contemplar cota, conseguindo seu imóvel com mais rapidez.”

Dados do Banco Central


Escrito por Agência Hoyler às 10h21
[] [envie esta mensagem] []




Para eles, a emergência é rotina



Leda Dias
agenciahoyler@yahoogrupos.com.br
Da Agência Hoyler


Como funciona o atendimento
Na Central Reguladora de Hortolândia, os técnicos auxiliares de regulação médica fazem a triagem das ligações, anotam todos os dados possíveis da vítima e/ou de quem está socorrendo. Em seguida, o médico regulador faz uma nova triagem, ele avalia o caso para verificar que tipo de equipe realizará o resgate. Em casos graves e de alta complexidade, é necessário o envio de uma ambulância de suporte avançado de UTI; já para os casos leves, a viatura suporte básico é acionada. Logo após, o controlador de frota entra em ação: é ele que localiza e aciona a equipe mais próxima do local da ocorrência. O médico continua ao telefone conversando com a vitima ou de quem está socorrendo; é ele que avalia o quadro clínico e repassa à equipe que segue em direção ao local da ocorrência. O médico mesmo médico também entra em contato com a unidade de Pronto Socorro que vai receber a vítima, repassando as informações. “Nós, médicos, temos o prazer de salvar vidas. Essa é a nossa missão. Nem sempre o que se fala ao telefone corresponde à realidade. Às vezes nós nos surpreendemos com a gravidade de caso” disse o doutor Hélio Rodrigues de Morais, médico regulador e emergencialista do Samu de Hortolândia.
O telefone não pára de tocar. Quase sempre é um pedido de socorro. Como se fossem anjos da guarda ou super-heróis, eles não param de atender essas ligações e de buscar, com a maior agilidade possível, uma solução. Não importa o dia ou a hora: de domingo a domingo, a qualquer momento, os moradores de Sumaré e Hortolândia têm à disposição, por meio do telefone 192, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). “É um trabalho gratificante. Socorrer vidas com qualidade não tem preço. A gente não mede esforço para obter êxito”, disse a enfermeira Cleude Camargo Guimarães, uma das integrantes da equipe de emergência.

Implantado no dia 23 de janeiro deste ano, o sistema tem atualmente sete bases nas duas cidades. Elas vêm atendendo 3 mil pedidos de ajuda por mês, cem chamadas por dia – o que dá uma média de um telefonema a cada 14 minutos e 24 segundos. De acordo com o Comitê Gestor do Sistema de Urgência Intermunicipal, Regional e Estadual, a performance é satisfatória, já que o Samu Campinas atende 5 mil ocorrências por mês e a cidade tem pouco mais de 1 milhão de habitantes. As cidades atendidas pelo serviço regional somam uma população de pouco mais de 419 mil pessoas.

É um trabalho gratificante. Socorrer vidas com qualidade não tem preço. A gente não mede esforço para obter êxito
Cleude Camargo Guimarães, enfermeira
As sete ambulâncias do Samu – duas de suporte avançado e cinco de suporte básico – ficam em pontos estratégicos na região. Em Hortolândia, o Pronto-Socorro Amanda e a Vila Real têm bases de apoio 24 horas; no Jardim Rosolem, o serviço está disponível no horário de atendimento do Pronto-Socorro: das 7h às 23h; a central reguladora está próxima ao Hospital Municipal, na mesma cidade. Em Sumaré há três bases do Samu: uma na área do Matão, outra no Parque das Nações e a terceira no Centro, ao lado do Corpo de Bombeiros. Todas as ligações são atendidas na Central Reguladora, em Hortolândia, que faz a triagem e repassa às bases de apoio.

Nem sempre o que se fala ao telefone corresponde à realidade. Às vezes nós nos surpreendemos com a gravidade de caso
Hélio Rodrigues de Morais, médico regulador e emergencialista do Samu de Hortolândia
A Central Reguladora do Samu da região tem cem funcionários: 35 médicos reguladores, responsáveis pela triagem médica, seis enfermeiras, 19 técnicas de enfermagem, 14 técnicos auxiliares de regulação médica (tarm) – que atendem inicialmente as chamadas do 192 – seis controladores ou operadores de frota, 19 motoristas e um médico folguista. De acordo com o secretário de Saúde de Hortolândia, Antonio Meira, trazer o Samu “foi difícil, mas está sendo gratificante oferecer um serviço de qualidade a fim de valorizar e salvar vidas”, disse.


Escrito por Agência Hoyler às 16h04
[] [envie esta mensagem] []




Exames reforçam sinais de redução de casos de dengue em Sumaré



Francisco Carlos Medina
agenciahoyler@yahoogrupos.com.br
Da Agência Hoyler


O Instituto Adolfo Lutz entregou ontem os resultados dos exames de 22 pessoas com suspeita de dengue. Desses, 17 resultaram negativos, enquanto outros cinco foram confirmados, sendo quatro em março e um em abril.

Os resultados positivos são dos bairros São Judas (Área Cura), Jardim Vitória (Nova Veneza), Paraíso I (Matão), Parque Regina (Matão) e Jardim Primavera (Centro). Entre todas as áreas, é a região do Matão, com 26 dos 36 casos contraídos no município (autóctones), que tem despertado mais atenção das equipes de saúde sumareenses, que vêm realizando na área medidas mais intensas, como arrastões e aplicações de inseticidas.


Para a diretora de Vigilância em Saúde Coletiva do município, Maria Alice Wonhnrath, a cidade já conseguiu alcançar um bom índice com menos de 10% dos casos em relação ao ano passado. “Os números atuais mostram que o conjunto de ações que adotamos está dando resultados. Agora nossa maior preocupação é com a área de Matão. Mais precisamente no Jardim Nova Terra, onde temos concentrado nosso trabalho inclusive com a participação da Sucen (Superintendência de Controle de Endemias)”, informa. No último dia 5, somente no bairro São Martins, região do Matão, um arrastão retirou 1,5 tonelada de criadouros. A boa performance de Sumaré acompanha uma tendência estadual de redução nos índices de infecção da doença. No mesmo período, o Estado de São Paulo registrou um recuo de 97,7% no número de casos.

Com os números mais recentes, até o momento Sumaré registra 664 notificações de suspeitas de dengue. Dessas, 276 estão descartadas (negativas); 40 estão confirmadas (positivas), sendo que 36 dessas foram contraídas no município e outras 4 contraídas em outros locais (“importados”). O município faz continuamente a busca ativa de suspeitos da doença e 348 das notificações aguardam resultados.



Caminhada
Hoje pela manhã, alunos e professores, de primeiras às quartas séries, da Escola Estadual de Tempo Integral do Parque Santo Antonio, na Área Cura, participaram de uma caminhada pelas ruas dos bairros, na qual distribuíram panfletos com informações sobre a doença e como eliminar criadouros. No dia 10, as crianças tiveram palestras sobre o assunto proferidas por profissionais da Vigilância em Saúde Coletiva de Sumaré (confira abaixo infográfico produzido pela Agência Brasil sobre a doença)





Escrito por Agência Hoyler às 10h58
[] [envie esta mensagem] []




Livro de fotografia revela projeto de inclusão digital



Milena Porto
agenciahoyler@yahoogrupos.com.br
Da Agência Hoyler


Eles tinham uma câmera e uma missão: revelar suas comunidades para olhares distantes do mundo que tão bem conheciam. Sob a supervisão do professor de fotografia Nelson Chinaglia, os 96 alunos das 25 Escolas de Informática para Cidadania (EICs) de Campinas produziram 8 mil imagens no início deste ano. Dessas, 100 se transformaram no livro Comunidade em Foco, com tiragem restrita a mil exemplares, realizado pela Organização Não-Governamental (ONG) Comitê para Democratização da Informática (CDI) de Campinas.

O resultado, segundo o professor Chinaglia, surpreendeu: “o que mais me impressionou foi estar diante de 8 mil fotos e ter que selecionar apenas 100”. Os alunos foram divididos em seis oficinas. Nelas, eles aprenderam a utilizar a câmera digital e foram a campo. “Utilizamos a pedagogia de Paulo Freire, pedindo que cada aluno mostrasse para o mundo, através da imagem digital, o que a sua comunidade tem de bonito, do que eles se orgulhavam e o que eles não gostavam, que gostariam que fosse transformado”, disse Chinaglia. O livro foi lançado oficialmente no dia 29 de março no Parque Shopping Dom Pedro de Campinas e contou também com uma mostra fotográfica, realizada entre os dias 25 de março e 6 de abril.

O CDI é uma instituição que se propõe a promover a inclusão social, utilizando as tecnologias de informação e comunicação como um instrumento de construção de cidadãos conscientes de seu papel, seus deveres e direitos na sociedade civil de hoje.


Escrito por Agência Hoyler às 09h24
[] [envie esta mensagem] []




Campanha contra dengue em Sumaré intensifica ações em Matão



Francisco Carlos Medina
agenciahoyler@yahoogrupos.com.br
Da Agência Hoyler


A Prefeitura de Sumaré escolheu o distrito de Matão como região prioritária no combate à dengue. As equipes de Vigilância em Saúde Coletiva estão intensificando os trabalhos de aplicação de inseticida para matar o mosquito transmissor e busca de criadouros na expectativa de tirar a cidade da situação de um dos municípios paulistas com maior incidência da doença.

Segundo os levantamentos do Índice de Breteau (que indica a quantidade de larvas do Aedes aegypti), feitos em sete regiões de Sumaré, o distrito apresentou o maior índice de infestação: 13,62, enquanto os níveis toleráveis pela Organização Mundial de Saúde (OMS) são de 0 a 2 amostras de larvas. “Nossa preocupação é com a região do Matão, onde já tivemos cinco casos positivos. Naquela área existem muitas larvas e muitos mosquitos. De cada 400 casas visitadas, 300 apresentavam criadouros”, confirma a diretora da Vigilância em Saúde Coletiva, Marialice Wonhnrath. No distrito há cerca de 15 mil imóveis e os arrastões devem continuar. Em ação preventiva na área, realizada no dia 15 de março, foi retirada 1,5 tonelada de criadouros do mosquito.

As ações preventivas ocorrem em um momento de melhora nos índices da saúde pública. Em relação aos meses de janeiro e fevereiro do ano passado, foi registrada uma diminuição de 832 para 14 casos positivos de dengue em Sumaré, uma queda de 98,3%. Apesar disso, a performance da cidade acompanha uma tendência registrada em todo o Estado. Até março, São Paulo teve 917 confirmações, enquanto que, no mesmo período do ano passado, esse número foi de 40.760, uma redução de 97,7%.

Nos dois primeiros meses do ano, Sumaré registrou 340 notificações de suspeitas de dengue. Dessas, 14 são positivas, sendo 10 autóctones (contraídas no município) e 4 “importadas”, isto é, vindas de outras cidades. Nas comparações entre janeiro e fevereiro de 2007 e 2008, neste ano foram 5 casos positivos (sendo 3 “importados”), no mês de janeiro de 2008, contra 278 positivos em janeiro passado (sendo 8 “importados”); e 4 casos positivos (sendo 1 “importado”) em fevereiro de 2008, contra 554 casos positivos em fevereiro do ano passado. Os números de março ainda estão sendo computados no município.


Escrito por Agência Hoyler às 14h53
[] [envie esta mensagem] []


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]

Nota da redação:

Todo o conteúdo aqui apresentado pode ser usado gratuitamente, inclusive por órgãos de imprensa e sites da internet, desde que citada a fonte.
Envie uma pauta para a Agência Hoyler.
Jornalista responsável:
Artur Araujo (MTb 15.744)

Mais:
O que é a Agência Hoyler



Conheça a Associação Campineira de Imprensa